JONGO DO TAMANDARÉ

Guaratinguetá, São Paulo
Manifestação: JONGO

Jongo do Tamandaré no filme Turista Aprendiz:

JONGO DO TAMANDARÉ

Guaratinguetá, São Paulo
Manifestação: JONGO

Exemplo de resistência, essa comunidade negra mantém às margens da Dutra uma dança que data da época das senzalas. Os escravos de origem Bantu trouxeram para o Brasil os batuques e danças de roda, com rebolado e umbigada, que deram origem a gêneros como lundu, o samba de roda, os cocos, o tambor de crioula, o partido alto, o carimbó e o jongo, entre outros. Todos esses gêneros desenvolveram-se de maneira particular adaptando-se às características e influências dos locais onde se estabeleceram, conservando em suas diferenças, no entanto, características comuns como o uso dos tambores de tronco escavado, cobertos com pele animal e esquentados no fogo, a estrutura musical de solo e coro, e a corporalidade das danças.
O Jongo é uma dança comunitária de origem rural que data da época da escravidão. A cultura do jongo é oriunda das relações de sociabilidade que os escravos estabeleceram, principalmente, nas fazendas de café e cana-de-açúcar. O jongo, também chamado de caxambu devido ao tambor de mesmo nome, é encontrado nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo.
No centro de uma roda um solista improvisa canções baseadas em situações do cotidiano ou canta “pontos” tradicionais que são respondidos em coro pelos participantes, numa empolgante combinação de batuque, canto, dança, religiosidade e brincadeira. Pontos de demanda e visaria, muitos deles já centenários, além dos improvisos e disputas entre os cantadores, compõe o repertório dos jongueiros, que se sucedem como os casais dançando no centro da roda formada a partir dos tambores.

Gravado em 1 de fevereiro de 2005.
vozes solo: André Luís de Oliveira, Antônia Rita Jeremias (Dona Tó), Antônio
(Togo), Aracy dos Santos, Maria José (Dona Mazé) e China
canto: Anderson Henrique de Oliveira, Angelina (Tia Fia), Antônio Carlos, Audinéia, César Augusto, Edna Maria de Oliveira, Elizabeth de Fátima Jeremias, Emerson Henrique, Érica, Fernanda, Ivelina , Jéssica, Klauss Henrique, Lúcia, Mara, Maria Aparecida, Odete, Pamela, Perpétua, Regina Helena Jeremias, Rita, Sandra Iara, Tamara, Tiago Galvão
tambu: Kleber José Carvalho, Carlos Rodrigues da Silva

candongueiro: Sidney Luís Rodrigues

GALERIA DE IMAGENS

Veja em detalhes os registros de uma imersão na cultura
brasileira escrito pelos próprios artistas.

A Barca ©️ 2021 – Todos os direitos reservados – Desenvolvido por Regional Marketing