TAMBOR DE CRIOULA DE TABOCA DA CASA FANTI ASHANTI

Cruzeiro do Anil, São Luís, Maranhão

Manifestação: TAMBOR DE CRIOULA DE TABOCA

Assista ao trecho do documentário Turista Aprendiz

TAMBOR DE CRIOULA DE TABOCA DA CASA FANTI ASHANTI

Cruzeiro do Anil, São Luís, Maranhão

Manifestação: TAMBOR DE CRIOULA DE TABOCA

Fundada em 1954, é hoje o principal terreiro de Tambor de Mina em atividade no país, referência da influência jeje no Brasil, e tema de estudos, teses e artigos de inúmeros pesquisadores. Cultivando diversos gêneros tradicionais sagrados e profanos em um calendário anual repleto, a Casa Fanti Ashanti é um centro cultural detentor de um enorme conhecimento oral preservado com rigor e atenção, reconhecido pelo MinC como Ponto de Cultura em 2005. Seu líder, o Babalorixá Euclides Talabyan, é autor de seis livros sobre cultura afro religiosa e recebeu em 2003 a Ordem do Mérito Cultural.
O Tambor de Taboca é uma variante pouco conhecida do Tambor de Crioula,
onde pares de peças de bambu batidos sobre uma pedra fazem as vezes da parelha tradicional, que consiste num trio de tambores de tronco escavado em tamanhos diferentes: o tambor grande, o meião ou socador, e o crivador.
Realizado na Casa Fanti Ashanti por ocasião dos festejos do Divino Espírito
Santo, é normalmente feito em devoção a São Benedito, o santo negro protetor dos escravos, ou Averequete, vodum de origem Jeje sincretizado com este santo nos cultos afro-brasileiros do Maranhão, Como pagamento de promessas ou simples entretenimento, reúne devoção e diversão de uma maneira muito particular: Suas toadas são cantos curtos entremeados de versos improvisados pelo puxador. A dança é executada só por mulheres, as coreiras, que com saias rodadas que propiciam os longos giros se sucedem no centro da roda solando em frente aos tambores, sendo tiradas pelas outras dançarinas pela umbigada ou punga.

Gravado em 29 de dezembro de 2004
chefe da casa, voz solo e taboca: Euclides Menezes Ferreira (Babalorixá
Talabyan)
voz nas estrofes: Isabel dos Santos Costa (Onsemawyi Iyakekerê), Antônio Carlos Costa e Silva (Lufanjidê), Luís Carlos de Souza Junior
tabocas: Estevão Reis, Flávio Henrique Pereira Coutinho (Aselabyi), Iguacyjam Rômulo Menezes
coreiras: Adriana Ferreira de Pinho, Aminelis Maria dos Santos Ferreira (Alafewyi), Anna Maria Santos Ferreira, Anunciação Maria Reis de Menezes (Ikarejyi), Isabel dos Santos Costa (Onsemawyi), Lindalva Costa Ribeiro (Odemiasyi), Maria Isabel Mendes, Maria José Reis de Menezes (Aladêyi)
coro: Washington Ferreira Ribeiro, Wellington Ferreira Ribeiro, Willame Ferreira Ribeiro

GALERIA DE IMAGENS

Veja em detalhes os registros de uma imersão na cultura
brasileira escrito pelos próprios artistas.

A Barca ©️ 2021 – Todos os direitos reservados – Desenvolvido por Regional Marketing